Biologia em pauta

Negligência da população pode ser uma das principais causas do surto de sarampo

31 de julho de 2019 - Boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo nesta terça-feira, dia 30 de julho, aponta que o número de casos de sarampo confirmados no Estado subiu para 633, um aumento de 30% em relação aos últimos dados divulgados, 11 dias antes. Só a capital é responsável por 76% dos casos oficiais. Até o dia 16 de agosto, para ajudar a controlar a doença, o Estado se esforçará para vacinar 4,4 milhões de jovens de 15 a 29 anos. “A vacinação é a única forma de se blindar contra a doença. Se ela não está em falta, não deveria ter motivo para o que está ocorrendo”, diz o Biólogo Horácio Teles, membro do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1ª Região (SP, MT e MS).


Para o especialista, uma das razões para o aumento dos casos de sarampo é a falta de preocupação da população em se prevenir contra a doença, por acreditarem que ela está sob controle. “Tende ao esquecimento, à negligência. Por isso a necessidade de programas educativos permanentes de vacinação”, defende o Biólogo, que considera importante a realização de campanhas de conscientização sempre que os níveis de cobertura vacinal ficarem abaixo do desejável. “Mas, para o acompanhamento da cobertura, é fundamental o bom funcionamento do sistema de vigilância epidemiológica em todo o país”, acrescenta.


Teles explica que há duas versões disponíveis da vacina, tanto na rede pública como na privada. “Além da tríplice-viral, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, a tetra também age contra a catapora”, diz o Biólogo, que lembra que as únicas pessoas que não devem se imunizar são aquelas com suspeita de sarampo, gestantes, bebês menores de 6 meses e imunodeprimidos. “A vacinação é a única forma de se proteger e as pessoas devem se conscientizar de que não é uma doença inofensiva. Em casos mais severos, ela pode comprometer o Sistema Nervoso Central e até mesmo levar à morte”, alerta o Biólogo.


Os primeiros sintomas são febre alta (acima de 38,5°C) acompanhada de tosse, irritação nos olhos, congestão nasal e mal-estar intenso. Depois, aparecem manchas vermelhas no rosto que, em até três dias, chegam aos pés. E as complicações mais comuns são infecções respiratórias, otites, doenças diarreicas e também neurológicas. Em relação ao tratamento, não há um específico. Para as crianças acometidas pela doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a administração de vitamina A, com a dosagem variando de acordo com o tempo de vida da criança.


Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada, Assessoria de Imprensa do CRBio-01

CRBio Digital

Área do Biólogo

Transparência

Anuncie